Editora Intrínseca,

Laini Taylor publicou em seu blog fotos de hamsás enviadas por fãs.

05 agosto Clã dos Livros 0 Comments

Laini Taylor publicou em seu blog

 fotos de Hamsás enviadas por fãs 



Vejam que lindas as fotos dos Hamsás . 
Os fãs enviaram as fotos e a autora 
(Laini Taylor é autora do maravilhoso Feita de Fumaça e Osso)
 publicou com os nomes de cada um!
Lindo!
O meu preferido é o da Virginia Lee e o de vcs?




Para quem não leu o livro ainda... Karou tem Hamsás 
em ambas as mãos e na história, eles guardam grande significado,
 o que a surpreende e salva sua vida.



Saiba um pouco mais sobre HAMSÁS



Descrição

Uma chamsá feita de argila, com a palavra "sucesso" em hebraico
Ela é uma mão simétrica, cujo polegar e o mindinho são idênticos e apontam para os lados, e o dedo médio é o eixo de simetria. 
Há também hamsás com forma de pombas semelhantes a uma mão. Ela pode aparecer também como uma mão normal, com um polegar distinto do mindinho.
Frequentemente, possui o desenho de com olhos, pombos,peixes e estrelas de Davi para fortalecer o seu simbolismo[carece de fontes. Em certas hamsás existem inscrições em hebraico, como a Shemá Israel, por exemplo.

Uso

A chamsá é usada como amuleto contra mau-olhado. 
É muito popular no Oriente Médio, especialmente no Egito.A mão pode ser encontrada em diversas formas, desde joias até azulejos e chaveiros.
Embora o Alcorão vete o uso de amuletos, a hamsá é facilmente encontrada entre seguidores do Islão. 
Os muçulmanos a associam aos cinco pilares do Islão, e também a chamam de mão de Fátima, sendo Fátima a filha preferida de Maomé. 
Notadamente, a hamsá aparece, junto com outros símbolos islâmicos, o emblema da Algéria.
A hamsá também é popular entre os judeus, especialmente os sefarditas. Os judeus inscrevem textos em hebraico, como a Shemá Israel, nas chamsás e também as chamam de mão de Miriam. Miriam, no caso, foi a irmã de Moisés e Aarão. 
O símbolo também é associado ao Torá, que é composto de cinco livros.

História

Existem evidências arqueológicas do uso da hamsá como um escudo contra o mau-olhado já antes do Judaísmo e do Islão. 
Há indícios de que a hamsá seria um símbolo fenício, associado a Tanit, deusa-chefe de Cartago cuja mão ou vulva afastava o mal.
Posteriormente, o símbolo foi adotado pela cultura árabe, que o passou para os judeus. A chamsa também aparece no Budismo; é chamada de Abhaya Mudra e possui conotação semelhante à descrita, significando a dissipação do medo.
Atualmente, defensores da paz no Oriente Médio têm usado a chamsá. O símbolo lembraria as raízes comuns do judaísmo e do islamismo. Nesse caso, não seria mais um talismã contra o mau-olhado, mas um símbolo de esperança de paz na conturbada região.

Informações sobre hamsás retiradas de : https://www.facebook.com/SoprodaCriacao

Quer ler a resenha de Feita de Fumaça e Osso,
 clique AQUI.



0 comentários: