Editora Fábrica 231,

Confira os lançamentos de fevereiro da Editora Rocco @editorarocco

13 fevereiro Clã dos Livros 0 Comments





Sinopse

Não é fácil ser eu. Mas minha irmã gêmea não tem escolha.

Quando morri, há dois meses, meu assassino obrigou minha irmã a tomar meu lugar, ou haveria consequências. Emma tem cumprido esse papel com perfeição. Ela joga o cabelo no meu melhor estilo.
Sutton Mercer e lidera os trotes do Jogo da Mentira com brilhantismo. Além disso, está melhorando meu relacionamento com minha família adotiva. A única coisa que ela não conseguiu ainda foi solucionar o meu assassinato.
De uma hora para outra, nossa mãe biológica, a mulher que nos abandonou, aparece em Tucson. Emma não a vê há doze anos, mas Becky a reconhece imediatamente como... Emma! Será intuição de mãe... ou Becky sabe que eu estou morta? 
Juro pela minha vida é o quinto livro da série The Lying Game, de Sara Shepard. Você não vai querer perder essa série fascinante, recheada de segredos e mistérios, da autora de Pretty Little Liars.





Sinopse



Faz apenas alguns meses que Ária descobriu que sua mãe morreu. Meses desde que Perry se tornou o líder dos Soberanos de Sangue e que ela o viu pela última vez. Agora Ária e Perry estão prestes a se reencontrar. É um momento pelo qual os dois aguardam com grandes expectativas e que pode significar muito para todos. Pelo menos, é o que pensam.
Mas esse momento não acontece. Os Marés não vão aceitar nada de ex-Ocupantes como a Ária. Além disso, Perry está perdendo o controle da tribo. E, com a tempestade de Éter piorando a cada dia, a única esperança de paz e segurança que resta é encontrar Azul Sereno. Mas será que esse paraíso existe de verdade?
Ameaçados por tentações poderosas e pelos falsos amigos, Ária e Perry questionam se serão capazes de sobreviver à noite eterna. Neste segundo volume da trilogia Never Sky, Veronica Rossi combina fantasia e elementos sci-fi para criar uma aventura cativante e uma história de amor inesquecível.





Sinopse



Livre da escravidão, Marcus está determinado a encontrar e salvar sua mãe sequestrada. Mas seu senhor Julius Caesar quer a sua ajuda para destruir os escravos rebeldes e o líder deles, Brixus, que planeja formar um exército de escravos e ressuscitar a causa de Spartacus. Será Marcus capaz de convencer Brixus a interromper uma revolta mortal e a impedir Caesar de atacar os escravos e causar mais carnificina e banho de sangue? Filho de Spartacus é o terceiro volume de Gladiador, série iniciada com Luta pela liberdade e Batalhas nas ruas. Simon Scarrow é historiador e autor bestseller de obras para o público adulto, com mais de um milhão de exemplares vendidos.








Sinopse

Não há trégua para Sofia, a jovem herdeira do último dos dragões. Ela é a única esperança contra Nidhoggr, a feroz serpe gerada para destruir o equilíbrio da natureza, e agora algo terrível aconteceu em uma cidade longínqua. Um evento tão maléfico que ofuscou o poder da Árvore do Mundo: um Draconiano, um dos guerreiros nascidos para defender a Terra, foi assassinado, e com ele acabou para sempre a esperança de derrotar o inimigo e ver a Gema voltar a resplandecer. Sofia e seus aliados precisam partir para Munique, na Baviera, a cidade que, além de esconder a ameaça, também guarda a chave para destruí-la: um artefato antiquíssimo capaz de viajar no tempo, mas que deve ser utilizado com muita cautela, ou poderá trazer consequências trágicas. O poder concentrado na clepsidra de Aldibah é imenso e letal, porém é o único que ainda pode salvar o mundo... A clepsidra de Aldibah é o terceiro volume da série, iniciada com A garota dragão e A árvore de Idhunn.






Sinopse



Misto de reportagem, crônica, biografia e crítica literária, Viagem ao redor da garrafa: Um ensaio sobre escritores e a bebida destrincha a relação – física, química, psicológica e social – entre a humanidade e o álcool por meio das conturbadas trajetórias de gênios das letras norte-americanas: F. Scott Fitzgerald, Ernest Hemingway, Tennessee Williams, John Berryman, John Cheever e Raymond Carver. A britânica Olivia Laing se lança em uma jornada pelos Estados Unidos e por suas próprias memórias familiares para buscar uma conexão entre alcoolismo, comportamento autodestrutivo e criatividade. O título une-se aos recém-lançados A Comuna de Paris e Cubiculados no Anfiteatro, o selo de debates e ideias da Rocco. Nascida em um lar governado pela bebida, Laing quer entender as causas e os efeitos do alcoolismo – ou, mais especificamente, por que os escritores bebem e que consequências esse hábito tem sobre o corpo da literatura. E as experiências desses seis autores parecem se complementar e se refletir umas às outras, interlaçadas por mães autoritárias e pais fracos, inadequação, conflitos de sexualidade, tendências suicidas e mortes prematuras. Ainda assim, não obstante a tragédia que parece dar o tom a suas vidas, eles foram responsáveis por alguns dos mais belos textos de todos os tempos. 

“Muitos são os livros e artigos que se regozijam ao descrever quão grotesco e vergonhoso pode ser o comportamento dos escritores alcoólatras. Não foi essa a minha intenção. Meu objetivo era descobrir como cada um desses homens – e, no caminho, alguns dos muitos outros que sofreram da doença – vivenciou seu vício e refletiu sobre ele. Quando muito, trata-se de minha fé na literatura e em sua capacidade de mapear as regiões mais difíceis da experiência e do comportamento humano”, afirma a autora. A única maneira de tentar compreender os alcoólatras seria, então, pela investigação do que foi registrado em seus livros, cartas e diários. Acompanhada das grandes obras de cada um deles, Laing inicia sua viagem no lugar que Cheever escolheu para viver, escrever e beber – a mesma Manhattan que viu Williams morrer sufocado com a tampa de um frasco de colírio. Faz uma parada em Baltimore, onde Fitzgerald lutou contra a insônia enquanto tentava pôr um ponto final em Suave é a noite, e parte rumo ao sul, passando por Nova Orleans e pela Key West de Hemingway. Via St. Paul, cenário da malograda recuperação de Barryman, segue então para noroeste, chegando aos rios de Port Angeles, cidade em que Carver passou seus últimos anos. Em paralelo, ao detalhar a maneira pela qual o álcool age no cérebro, Viagem ao redor da garrafa traça um “mapa topográfico do vício” e delineia desde os prazeres da embriaguez até as duras realidades do processo de reabilitação. Mas, como toda boa literatura, não oferece respostas precisas: sua narrativa lírica, desmistificadora e repleta de nuances é, acima de tudo, uma ode à arte da escrita.








Sinopse

Uma poderosa nevasca deixa à porta da amedrontada Stella uma surpresa que mais parece ter saído de sua imaginação: Blue, uma adolescente com olhos azuis como seu nome, e longos cabelos loiros. Estonteantemente bela, a jovem poderia ser uma fada ou ninfa dos contos de fada. Entretanto, a garota traz para o protegido santuário de Stella um segredo sombrio que vai colocar sua vida e tudo o que ela conhece em risco. Não chegue tão perto é o romance de estreia da britânica Luana Lewis. Ela usa sua experiência como psicóloga clínica para criar um thriller que tem como personagem principal a traumatizada psicóloga Stella Davies. Vítima de uma série de abusos na infância e adolescência, Stella tenta ajudar pessoas numa clínica especializada em avaliações de relações familiares. Apesar de relativamente nova na profissão, ela começa sua carreira com um desafio: determinar se o médico Lawrence Simpson está habilitado a ter a guarda integral de sua filha, que vive com a mãe alcoólatra. O que pesa contra ele são as alegações de que é violento com ela e a filha. Mas não seriam apenas delírios de uma mulher desajustada? Ao longo das entrevistas nas quais ambos disputam uma batalha silenciosa pelo controle da situação, Stella tenta descobrir a verdade e se depara com uma realidade assustadora. Também não seriam delírios que acometem Blue, a estranha menina que consegue entrar na casa de Stella? Blue alega que Max, o marido de Stella, é seu pai, um choque para a amedrontada Stella, prisioneira de si mesma desde que o caso sobre o pedido de guarda de Lawrence teve um desfecho terrível. Naquela mansão, sozinha com uma menina que diz ser sua enteada, a psicóloga sente a sombra do perigo. Não chegue tão perto é narrado em três tempos: em 2009, num flashback no qual o leitor conhece Stella e acompanha o caso de Lawrence Simpson; nas sessões de terapia de Max com Blue; e na crescente tensão entre Blue e Stella na casa dessa última. Cabe ao leitor ligar os pontos e encontrar a verdade por trás das histórias de Blue, Max, Lawrence e Stella, inteligentemente construídas por Luana Lewis a partir de suas experiências clínicas em lidar com traumas de crianças e adolescentes.






Sinopse

Louise Russell é uma pessoa como outra qualquer. Tem família, uma rotina e, um dia, sozinha em casa, faz o que qualquer outra faria: abre a porta para o carteiro. No entanto, o que recebe não é uma correspondência e sim um ato de violência. Agredida, é paralisada e jogada no chão. Aquele homem estranho, fedorento, de aparência repugnante vai fazer alguma coisa com ela. E ela nada pode fazer a não ser encarar as fotos da família na parede e se dar conta de que nunca prestou atenção a esses fragmentos de felicidade congelados no tempo. O homem que bateu à sua porta tem planos para ela. Ele veio tomar-lhe algo de muito precioso: sua liberdade. Antes de levá-la, ele diz: “Vim levar você para casa, Sam.” Sam? Quem é Sam?, pensa Louise antes de se somar à lista de mulheres desaparecidas. Sombrio é o segundo thriller policial de Luke Delaney, que serviu por muitos anos na polícia londrina investigando crimes diversos, dos cometidos por assassinos em série aos resultados de conflitos entre gangues e máfias. Nos livros de Delaney, Sean Corrigan é o herói que encarna a missão de desvendar mortes e descobrir quem as cometeu, e fazê-los pagar. Corrigan, no entanto, não é um detetive comum. Sua infância sofrida e traumática – era abusado sexualmente pelo pai – despertou nele uma conexão com o lado obscuro do ser humano. Ao investigar cada morte, o detetive consegue imaginar – e mesmo sentir – o que motiva o assassino a realizar suas mortes. É essa intuição poderosa que vai orientar Sean Corrigan e sua eficiente e leal equipe na busca por Louise e outras mulheres que sumiram sem deixar pistas. Thomas Keller é um homem em busca de alguém. Sam personifica a mulher que deseja proteger e com quem ele quer se relacionar. E a busca em todas as mulheres que sequestra. Sim, Thomas é um colecionador e Louise é a nova Sam. Para preservá-la, ele a guarda com cuidado, numa jaula localizada no porão de seu chalé. Mas ela não está sozinha. Karen é sua colega de prisão e já está lá tempo suficiente para saber o quanto Keller representa um perigo inimaginável, um pesadelo materializado num enlouquecido sequestrador em série. O desaparecimento das duas se soma a outras. A polícia de Londres entra na investigação e o atormentado detetive-investigador Sean Corrigan e sua equipe da divisão de Crimes Graves do Grupo Sul deve assumir a tarefa. A divisão investiga assassinatos e o time reluta em entrar num caso de pessoas desaparecidas. Mas então o primeiro corpo aparece e Corrigan deve rapidamente usar suas sombrias habilidades para entrar na mente do criminoso. Porque Keller saber exatamente quem ele quer. E não vai sossegar até encontrá-la. Como um bom romance policial, Sombrio tem todas as reviravoltas, diálogos, personagens e suspenses típicos, mas vai além: como ex-policial, Delaney retrata com fidelidade os procedimentos investigativos e a rotina na instituição. Como os policiais reagem durante a investigação de um crime, como se relacionam entre si e com os criminosos. É possível sentir que cada personagem tem densidade e certamente foi inspirado em muitos dos colegas e casos investigados pelo autor. Sean Corrigan, o herói de Delaney, impressiona pelos vários desafios que deve superar, seja ao administrar seu passado sombrio que vem à tona em cada assassinato que investiga, seja ao tentar conciliar sua intensa e caótica vida profissional e sua família – a filha e sua mulher, que considera seu porto seguro. Mas para tristeza de Sean e satisfação do leitor, Delaney reserva para seu personagem muitos casos para solucionar. Afinal, o ser humano tem facetas obscuras e sombrias que, de vez em quando, emergem. E, em alguns casos, concretizam horrores que só ele pode entender.






Sinopse



Depois de anos desaparecido, um pai volta para casa, provocando, além de surpresa, uma avalanche de sentimentos contraditórios nos membros da família. Vencedor do Prêmio SESC de Literatura por Beijando dentes, Maurício de Almeida costura com grande habilidade o drama psicológico vivenciado por cada um dos personagens de seu intrincado novelo familiar em A instrução da noite, sua estreia na Rocco. Dialogando com a literatura de Osman Lins e Raduan Nassar, o autor cria belas metáforas para falar de situações e sentimentos como perdas, traição, frustração, solidão, medo e abandono, e dos traumas que cada um carrega, muitas vezes por uma vida inteira, e que influenciam as escolhas que fazemos ao longo dessa mesma vida. O retorno inesperado do pai ao seio dessa família nuclear, composta pela ex-mulher e filho apenas, causa um enorme mal-estar. A trama é tecida a partir de um monólogo desse filho deixado para trás com Teresa, sua irmã, também desaparecida, com quem planejava, um dia, fugir de casa, mas que vai embora sozinha depois de um acontecimento importante em sua vida. O narrador vê-se obrigado a ficar para cuidar da sua mãe, e se casa com Alice, enredando-se num relacionamento apático, sem maiores arroubos e desejos, o que também lhe é motivo de tristezas e frustrações. O excesso de medo, a obediência servil, o conformismo acabam por transformar o narrador em prisioneiro de um destino indesejado. Em conversas imaginárias com Teresa, o narrador dá pistas de sua história e personalidade, marcada pelo desaparecimento do pai, e o sumiço da irmã, sua melhor amiga e única confidente. O narrador desenvolve, então, um sentimento intenso de mágoa e sente-se traído e abandonado por aquela em quem confiava e depositava a coragem que precisava para dar cabo ao seu desejo mais profundo: sair de casa, deixando para trás o seu passado, sua vida incipiente e sem grandes aventuras. Com uma narrativa intensa e cortante, Maurício de Almeida surpreende por imprimir voz própria e marcante em romance sobre o quanto o medo e a impotência podem destruir uma vida.






Sinopse

No século XIX, o movimento literário Romantismo enfatizava a emoção, a espontaneidade e a naturalidade como principais características da expressão artística. Levar esses conceitos para o universo do trabalho pode oferecer sentido a quem busca mais do que uma recompensa financeira com sua atividade profissional, diz o especialista em marketing Tim Leberecht, autor de Romantize seus negócios – Dê o máximo e crie algo maior do que você é. O lançamento inaugura a coleção Pitch Deck, dedicada a livros de negócios com uma abordagem ousada e contemporânea, pensada para o empreendedor entender melhor o mundo do design thinking e das startups. Pesquisas de instituições renomadas, como o Gallup, indicam que apenas 13% dos trabalhadores estão entusiasmados com seus empregos, enquanto mais de 60% não encontram qualquer motivação na carreira e cerca de 24% se descrevem como infelizes e improdutivos. Mais emoção do que razão, aprender com o imprevisível, deixar de lado o controle e a centralização sobre o processo de trabalho são algumas das apostas de Leberecht em relação ao novo mundo de negócios. Diante da sensação de isolamento no ambiente corporativo, apesar das múltiplas conexões virtuais, e da ansiedade gerada pelas desigualdades sociais, os ideais românticos ajudam a enfrentar a cerrada competição do mundo empresarial, defende Leberecht. Romper com as formas de sobrevivência convencionais é uma das primeiras regras para os românticos nos negócios, como um casal de artistas que financiou sua viagem da Califórnia até a América do Sul vendendo produtos de artesanato das regiões que atravessavam. Além de pagar pelos custos, eles enfatizam a importância da convivência com comunidades diversas. A experiência de travar contato com pessoas de diferentes faixas etárias e escolaridade também é valorizada pelos românticos em negócios, diz Leberecht. Uma empresa norte-americana adotou um ambiente de trabalho único em que todos os empregados utilizam uma imensa mesa, mesmo que seus setores sejam de diferentes áreas da empresa. Leberecht apresenta diversos exemplos de inovação no mundo dos negócios, que reveem métodos e modos de trabalho. Medidas de impacto, que incomodam os funcionários, têm se mostrado eficientes para aprimorar a produção. Nos anos 1980, a Atari enterrou milhares de cartuchos de um videogame que fracassou nas vendas. Em 1995, a Samsung convocou milhares de funcionários a assistir à queima de uma pilha com 150 mil telefones defeituosos. Quando a fogueira se apagou, as cinzas foram recolhidas por tratores. A “Grande Incineração de Telefones” foi o ponto de partida para a reformulação da Samsung visando a excelência da qualidade de seus produtos.



0 comentários: