5 Estrelas,

( Resenha ) Intrigas da Corte de Elizabeth Fremantle @EditoraParalela

25 maio Larissa 4 Comments

Editora Paralela
Clique na capa e compre o livro na Saraiva.


Leia a sinopse AQUI.

Esta resenha pode conter spoilers 
do primeiro livro da série.

Resenha

"Lembro que maman disse uma vez, a respeito da antiga rainha, que o poder corrompe. Pensei muito a respeito, e me parece que o que corrompe é o medo de perdê-lo"
Nesse segundo livro da série Xeque-mate vamos ter o foco em outras mulheres da corte Tudor.
Como foi descrito no primeiro livro, o rei Henrique VIII não reconhecia suas filhas Mary e Elizabeth.  Depois do fim do reinado de Eduardo VI, filho de Henrique, a corte ficou no impasse de quem assumiria o poder. Foi através de algumas tramas que Jane Grey assume a coroa, sendo ela sangue azul e sobrinha de Henrique VIII. Mas a sede do poder alcançou Mary, que foi capaz de autorizar a decapitação da própria prima.

Então o livro vai focar na histórias das duas irmãs de Jane Grey, Mary e Katherine. Por conta do sangue azul correndo em suas veias e da possibilidade de sucessão ao trono, viveram em constante alerta.
Mary era uma criança, pelos meus cálculos através das informações deveria ter uns 10 anos, e possuía uma "deformidade" na coluna que dava aspecto de uma corcunda. Por isso vivia sofrendo com os olhares tortos e os comentários maldosos.
Mas isso não era um problema para a rainha Mary I que manteve a prima por perto e gostava de sua companhia.


Katherine era uma pessoa que sonhava com o romance. Possuia uma beleza de atrair os olhares e combinada com sua boa posição social, lhe trouxe um casamento bem jovem. Porém antes mesmo de ser consumado o casamento foi desfeito. Com a noticia da condenação de sua irmã mais velha, todos quiseram se afastar o mais rápido possível dos Greys.
Assim Katherine vive suspirando por seu "marido", esperando o momento que poderá viver o seu sonho de amor.
"Foi só quando chegamos à corte que me dei conta de que Mary era diferente - claro que eu via que ela era torta, mas em casa ninguém nunca dera importância a isso; era simplesmente Mary, nossa Ratinha. Aqui, porém, eu descobri que tinha de defendê-la das damas, mais nocivas que um ninho de cobras."
A leitura do primeiro livro antes desse volume é interessante pelo fato de conhecermos grande parte do passado das rainhas Mary I e Elizabeth I, e todo o enlace da família Tudor.
Mary continua a religiosa fervorosa como apresentado no primeiro livro e pune qualquer um que seja adepto da "nova" religião. Teve que brigar pelo trono e tomou várias decisões "cruéis" mostrando que tinha sim, parte da personalidade de seu pai.
"A garota parece fascinada com a regência de Katherine, implora para ir às reuniões do conselho, oferece ajuda para redigir cartas oficiais, para auxiliar com qualquer coisa. Isso é impossível, mas Katherine encoraja seu interesse. Elas falam sobre mulheres que governaram, sobre como a feminilidade precisa ser deixada de lado para ganhar a confiança dos homens. Elizabeth tem os traços de uma boa rainha, mas não será mais que uma consorte." (Xeque-mate da rainha)

Após a morte da rainha, quem assume o trono é Elizabeth, sim a mesma Elizabeth que traiu a rainha Katherine no primeiro livro.
A rainha Elizabeth I era adepta da nova religião e possuia mais senso de governo que a irmã. Como vimos no livro anterior, a vontade de governar sempre esteve presente no seu ser e tudo aflora quando finalmente assume o poder.
Assim como a irmã, Elizabeth I tem a fama de coração cruel. Nem Mary, nem ela conseguiram engravidar, o que as tornou mais paranoicas ainda com a possibilidade de ter o trono "roubado".
"A rainha adora viajar e ser vista; esbalda-se com as multidões que se alinham na beira da estrada para dar uma olhada nela. As pessoas oferecem pequenos buquês de flores do campo, potes de geleia, doces, pães, dos quais mal podem se dar ao luxo de se desfazer; vez por outra, até crianças doentes são apresentadas, na esperança de que o toque da rainha cure seus males."

Mas como disse no começo, o foco do livro são as irmãs Grey e a tentativa de ter uma vida normal, apesar de ter o sangue real. A possibilidade de Katherine casar e ter o herdeiro para trono, deixou tanto a rainha Mary, quanto a Elizabeth muito paranoicas.
Quanto a Mary, ter que ficar presa na corte como uma "boneca" para as rainhas, a deixava muito triste e sem vontade de viver.
"Sinto-me examinada por minha feiura, da mesma forma que minha irmã deve se sentir por sua beleza. Meu vestido me incomoda e o aparelho nas costas me causa dor."
Nesse livro temos a mesma dose de conspirações, traições e aventuras que uma corte pode oferecer. Não temos a representação de mulher forte, como no primeiro livro mas temos a representação da força que uma mãe tem quando precisa proteger quem ama, coisa que podemos perceber em diversos personagens e de várias formas.
"Mas sou mãe, e toda mãe que sentiu o bebê mamar se apaixona profundamente, queira ou não."
A capa do livro segue a mesma linha do primeiro e está linda! A diagramação poderia ser um pouco melhor, pois senti as linhas um pouco grudadas umas nas outras. Não atrapalhou minha leitura, pelo fato da história ser intrigante e também já ter me acostumado com o primeiro (que também tem esse pequeno problema).
Mais um romance de histórico que cumpriu com a minha expectativa e só aumentou a minha vontade de continuar descobrindo mais e mais dessa corte.
"Até mesmo nos últimos anos do reinado de Henrique VIII, quando a corte pisava em ovos de tanto medo e ninguém sabia em quem deveria acreditar, não era como agora. Até a mais leve sombra de suspeita se tornou suficiente para queimar alguém. Não se pode confiar nem nos melhores amigos. E Deus lhe guarde de ter uma discussão com um vizinho, pois basta uma mera insinuação de que não se tem assistido à missa ou de que se lê a Bíblia em inglês... Briguinhas e rixas terminam na estaca, e todos sabem aonde um dedo apontado vai dar. Mais de dois anos de terror. George tinha razão, eles estariam melhor longe desse lugar."


4 comentários:

  1. Não gostei muito da capa, mas o livro chamou a minha atenção e saber que tem conspirações e aventura me deixou com muita vontade de ler ele, esse entrou para a minha lista de desejados.

    ResponderExcluir
  2. Larissa!
    O mais atraente neses romances históricos, é justamente toda trama que acontece por traz do reinado, os conchavos, as traições, as atitudes insanas e crueis...
    Fiquei bem interessada em poder acompanhar todo esse enredo exultante e saber como tudo terminará.
    “A solidão é a mãe da sabedoria.” (Laurence Sterne)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  3. Essas capas são maravilhosas, apesar de não dizer muito sobre a trana, só demonstra que as irmãs são glamorosas, e já da para perceber que se trata de uma corte, por suas belezas. Mesmo que nesse livro não demonstre uma personagem forte, mas um outro lado da mulher, em estar disposta a proteger a quem ama, só esse simples fato já me cativou a leitura, e outra coisa quero saber mais sobre a intrigas existentes nessa trama.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Larissa!!
    Estou fascinada por esses livros da série!! São romances históricos bem intrigantes que tem histórias bem interessante.
    Beijoss

    ResponderExcluir