5 Estrelas,

( Resenha ) O Pistoleiro - Livro 1 da Série A Torre Negra de Stephen King @Suma_BR

26 outubro Bianca Gonçalves 0 Comments

Suma de Letras
Clique na capa e veja onde comprar o livro

Leia a sinopse AQUI.

Resenha

O Pistoleiro é o primeiro livro da série “A Torre Negra”, escrita por Stephen King. A série conta com um total de oito volumes.

Como fã de carteirinha do autor, desejei por anos iniciar a leitura da série, que porta milhões de fãs do mundo inteiro.

E não é tarefa fácil resenhar um clássico que tanto agrega fãs.

Stephen é um escritor muito versátil, e aqui temos um estilo completamente diferente. “O Pistoleiro” tem como principal base o gênero fantasia, mas incrustado a ele, encontramos terror, drama e aventura.

De início, fiquei realmente muito confusa com o enredo, e por um breve momento acreditei que não iria funcionar pra mim. Mas mestre é mestre!

Na obra, acompanhamos a jornada de Roland, o último descendente de uma linhagem de pistoleiros, em  uma perseguição pelo Homem de Preto.


Não entendemos de antemão o motivo para tal perseguição. 

Ao contrário das obras que já li do autor, nesta não temos muitos detalhes imediatos sobre quem são os personagens. 

Tão pouco sabemos, inicialmente, o nome do Pistoleiro. Essa falta de detalhes, tão atípica de King, me provocou desconforto. Era como se estivesse no escuro.

Nesta fantasia, a realidade se confunde. Sabemos que não estamos no nosso mundo, a narrativa remete a um deserto, e durante a perseguição de Roland ao Homem de Preto, ele se depara com algumas pessoas e locais.

O tempo é outro fator notório. É diferente nesse contexto.
"De fato, quando alguém anda à procura da Torre Negra, o tempo é um assunto que não tem absolutamente nenhuma importância."
Muitos mistérios e fatores surpresas rodeiam a leitura. A começar pelo Homem de Preto.

Não sabemos ao certo “o que ele é”. E isso não nos é revelado de uma vez. Começamos a compreender seus poderes a medida do avançar das páginas, e entendemos por fim que ele exerce grande influência em tudo e todos que aparecem no grande deserto.

O Pistoleiro sempre está a frente das nossas compreensões.
"A armadilha tinha uma horripilante perfeição. Se alguém dissesse que você ia para o inferno se pensasse em ver sua mãe nua (um dia, quando ele era muito jovem, tinha dito exatamente isto ao pistoleiro), você acabaria tendo esse pensamento. E sabe por quê? Porque você não queria imaginar sua mãe nua. Porque você não queria ir para o inferno. Porque se damos uma faca e uma mão para segurá-la, a mente acaba sendo tentada. Não porque queira; porque não quer."
Quando por fim entendi esse fato, pude enxergar que Roland sempre soubera, e por isso se tornava tão arredio com todos que apareciam em seu caminho.

Como por exemplo, na cidade de Tull. Roland conheceu todos os moradores, e percebeu aos poucos que tudo não passava de uma grande armadilha para ele próprio.

Alguns diziam que o tal Homem de Preto era um anjo. Outros o apontavam como o próprio demônio.

O fato é que, com exceção de Roland, todos os demais personagens pareciam estar, de certa forma, enfeitiçados; o que monta assim uma grande incógnita, pois não sabemos se tudo não passa de ilusão ou não.

Os poderes do Homem de Preto são inestimáveis. Mesmo não nos deparando com detalhes de sua essência, sabemos sobre seu feitiço. E um dos mais admiráveis, a meu ver, foi a passagem em que Alice (personagem que Roland encontra em Tull) relata o dia em que ele ressuscitou um homem.
"Cuidado com o homem que se finge de fraco".
O enredo é rodeado por muita magia. Mas não é algo doce e belo. A magia imposta é sinistra, perturbadora e por vezes, assustadora.

E ainda nessa busca incansável pelo Homem de Preto, Roland se depara com o personagem mais completo da trama: o garoto Jake.

Jake vivia em nosso mundo e fora parar na realidade de Roland ao ser vítima de um terrível acidente. Quando tal personagem aparece, tudo passa a fazer sentido.

É nesse ponto que a fantasia de Stephen toma um gosto delicioso e se torna viciante.

Vale esclarecer que é um livro introdutório, movido por mais perguntas que respostas. Talvez minha resenha possa parecer confusa, mas quero passar a vocês que pretendem iniciar essa grande jornada, que o primeiro livro traz justamente esse ponto de partida: a busca pelo Homem de Preto. 
"Era um jogo, não era? Homens adultos sempre tem de fazer esses jogos? E tudo tem de ser uma desculpa para outro tipo de jogo? Os homens amadurecem ou fazem apenas o jogo da chegada da idade?"
Ao terminar a leitura, é completamente impossível não querer ansiosamente o segundo livro da série.

Aviso aos navegantes: é uma leitura que provoca agonia, tensão. Porém, é deliciosamente viciante.

Narrado em terceira pessoa, apesar das poucas páginas (227), não conseguimos ler “num tapa”. A complexidade fabulosa de Stephen perturba. Por vezes precisei fechar o livro, respirar e descansar meu coração das cenas intensas. 

Resultado de imagem para GIFS A TORRE NEGRA

E isso não é uma reclamação. Se não deixei claro, é o momento de dizer que a série pegou mais uma leitora. Adorei e quero mais!

A edição está linda, com uma introdução arrebatadora do próprio autor, contando a respeito de sua inspiração para a criação da série.




0 comentários: