5 Estrelas,

( Resenha ) A Bússola de Ouro - Livro 1 da Trilogia Fronteiras do Universo de Philip Pullman @Suma_BR

26 novembro Bianca Gonçalves 0 Comments

Editora Suma

Clique na capa e veja onde comprar

Leia a sinopse AQUI.

Resenha

Como todos já sabem, sou apaixonada por fantasias, sejam elas sombrias ou não. Desde o lançamento de A Bússola de Ouro, primeiro livro da trilogia Fronteiras do Universo, senti muita vontade em ler. Tenho amigos que são fãs da série, sem contar com o fato de ser uma obra muito reconhecida, com grandes premiações.

O que me repelia era o fato de ser destinada ao público jovem. Pois bem, mesmo sabendo que me depararia com um enredo infanto-juvenil, encarei a leitura com muitas expectativas.

É completamente difícil descrever o quão incrível é a fantasia criada por Philip Pullman. Nas primeiras páginas, mesmo com um universo diferente trazendo uma fantasia original; o leitor consegue ser transportado para dentro da história graças a sua narrativa.

Falando do enredo, conhecemos a menina Lyra, uma criança esperta e nada convencional. Sua personalidade é a primeira coisa que nos chama atenção, porém todo o universo de Lyra é diferente. A começar, a criança não tem pais e não fora criada em orfanatos. Ela mora em uma grande faculdade, sua educação ficou por conta dos mestres, em específico do reitor.

A faculdade em que Lyra vivia era muito rica. O único centro experimental de teologia da Europa.

Um ambiente sério demais para uma criança, mas ao mesmo tempo, repleto de conhecimento. Não é só a criação de Lyra que torna seu mundo diferente do nosso. Num primeiro momento, a fantasia se dispersa nos elementos reais que a trama traz. Personagens humanos? Tudo bem, isso não é lá original. Mas, no mundo criado por Pullman, cada ser humano tem ao seu lado uma espécie de protetor em forma de animal, denominado Daemon.

Na infância, tal Daemon pode adquirir várias formas, porém na vida adulta, ele se mantém numa única.

Lyra tem um único parente vivo, seu tio Asriel. O cara era um estudioso. Sua ligação com a faculdade, além de Lyra, se dava ainda pelo fato da mesma financiar seus estudos. 

Asriel havia feito uma descoberta e tanto. A Igreja acreditava que existiam dois mundos, o real e o espiritual. Asriel descobrira outro mundo. E isso poderia ser considerado ruim pela Igreja.

A faculdade estava num impasse. O reitor não queria ficar contra a Igreja, mas ao mesmo tempo se livrar de Asriel seria complicado.

Lyra poderia ficar alheia a tudo isso. Mas, ao se esconder na sala de reuniões privativa da faculdade, onde seu tio seria recebido, descobriu que o reitor tinha a intenção de envenená-lo. 

O que fazer? 



Em meio a tudo isso, outro problema cercava a garota. Crianças de toda parte estavam desaparecendo. Ninguém sabia o motivo ou quem estava por trás desse desaparecimento. E uma lenda surge então, a de que criaturas denominadas “Papões” estariam por trás disso.

Lyra estaria segura dentro da faculdade, mas acontece que seu melhor amigo sumiu, e tudo indicava que ele seria mais uma vítima dos papões.

Uma nova personagem surge. Sabem aquela figura feminina maravilhosa, encantadora, que cativa, e ainda por cima, é inteligente pra caramba? Assim era a senhora Coulter.

Apaixonante como era, não foi surpresa o fato de Lyra ter se deliciado da companhia da senhora, numa visita que a mesma fez à faculdade. O reitor acreditava que a menina precisava de uma presença feminina em sua vida; e quando observou toda a empolgação de Lyra para com a senhora Coulter, não hesitou ao permitir que embarcasse em uma viagem com a mulher.


Assim, Lyra e seu inseparável Daemon, viajam para tentar desvendar os mistérios de seu tio e dos Papões; num universo mágico, onde a ciência e a religião fazem fronteiras com uma fantasia indescritível.

"Quando a gente é jovem, pensa que as coisas duram para sempre. Infelizmente, não é assim."
Eu amei e não gostei desse livro. Não pensem que sou bipolar, mas foi esse o efeito que tive ao final da leitura.

Amei a escrita do autor, a construção do enredo, os elementos fantásticos. Fiquei realmente apaixonada por todo o universo que ele elaborou. Sendo o primeiro livro, apesar de já sabermos que a introdução de uma série pode ter momentos monótonos, fui surpreendida por estar enganada. A escrita flui muito bem, sempre com ação e ganchos para suspense. Quando não o tem, somos agraciados por criaturas e/ou personagens encantadores e instigantes.

Não gostei do fato de ser um livro juvenil. Vejam bem, temos temas sérios, mas ao mesmo tempo quem está em frente a tudo isso é uma criança. E para ser coerente àquilo que escreve, essa criança precisa se manter imatura, mesmo diante de um grande problema. Isso não é uma critica negativa ao enredo, pois como disse no inicio da resenha, eu sabia muito bem a que público a serie seria destinada. Infelizmente, pessoalmente falando, esse ponto foi o que não deixou a leitura se tornar fabulosa, por isso não se tornou um livro favorito. 

Mesmo assim, quero continuar lendo os demais livros da série, afinal estou curiosa para saber qual será o desfecho; e ainda ficarei de olho nos próximos lançamentos do autor. A escrita dele é divina!

O livro é narrado em terceira pessoa. A edição é um brilho, literalmente. A capa cintila e os desenhos que se encontram nela são dos Daemons mencionados no enredo. Um encanto, como todas as edições da Suma.

Mesmo sendo destinado ao público jovem, acredito que seja um livro de leitura obrigatória para todos os fãs de fantasia.

PS: as imagens dispostas são do filme homônimo baseado na obra. Lançado em 2007, teve Nicole Kidman no elenco.

0 comentários: