5 Estrelas,

( Resenha ) Minha Versão de Você de Christina Lauren @hooeditora

08 janeiro Fabi Carvalhais 0 Comments

Hoo Editora

Clique na capa e saiba onde comprar 

Resenha


Hoje eu vim para falar sobre mais uma aventura literária. Conforme comentei em minha última resenha, tenho experimentado novos gêneros, e a cada nova experiência, tenho uma nova surpresa. A surpresa da vez veio através do livro Minha versão de você, um romance LGBTQ escrito por Christina Hobbs e Lauren Billings.

Tanner é um carinha de 18 anos, queer, inteligente e um tanto quanto preguiçoso - mas apaixonante, bem humorado, lindinho de morrer e super gente fina. Sua família se mudou para uma cidade onde os mórmons são maioria, ou seja: a cidade está lotada de pessoas preconceituosas e, muitas vezes, fanáticas. Apesar de não se sentir confortável com tantos mórmons por perto, Tanner nunca teve problemas com sua orientação sexual, pois além de ser aceito pela família, ele não havia se interessado por nenhum garoto dali - até conhecer Sebastian. Por insistência de sua melhor amiga Autum, ele se inscreve numa disciplina chamada Seminário. Nesse tal seminário, os alunos aprendem a escrever um livro, e é lá que Tanner e Sebastian se conhecem.

Sebastian é um mórmon. Ele está prestes a sair em missão em qualquer lugar do mundo e acabou de escrever um livro que tem sido aclamado pela comunidade. Ele é super dedicado à igreja, à família, e por isso, vive se anulando. Nunca levou em conta seus sentimentos, tudo o que fez foi fazer aquilo que a igreja prega ser o certo, e por isso, nunca se deu conta de que era gay. Ele sempre soube que gostava de meninos, se apaixonou por um certa vez, mas nunca passou disso: uma paixão.

De volta ao Seminário, Tanner não tem ideia do que escrever. Ele se inscreveu por impulso, para agradar a amiga, e depois que ele conhece Sebastian, tudo fica ainda mais complicado, pois ele não consegue se concentrar. A ideia é escrever sobre ser um adolescente queer numa cidade onde todos são mórmons, mas ele tem consciência de que não poderia entregar o livro sem que fique claro que se trata de uma auto-biografia. 



Ele escreve algumas linhas, linhas essas que logo se transformam em parágrafos, páginas... tudo graças a Sebastian. Tanner meio que se apaixona assim que o vê, e quando o garoto se oferece para ajuda-lo com o livro, Tan se vê com sérios problemas, pois a sede de escrever foi tanta que ele não mudou os nomes dos personagens. Ele tenta mudar de última hora, mas acaba se esquecendo de alguns, o que leva Sebastian a descobrir que Tanner gosta de meninos, assim como ele.

E é ai que tudo começa. Eles começam a se encontrar cada vez mais com a desculpa de que irão falar sobre o livro de Tanner, mas na verdade, eles têm seguido uma trilha para uma montanha, e lá, têm dado asas aos seus desejos, às curiosidades de Sebastian, e por isso, eles estão cada vez mais envolvidos. Mas as coisas não são tão simples assim. Sebastian é mórmon. Em breve terá que viajar o mundo em missão por dois anos. Mas antes de ir, tem uma turnê para divulgar seu livro... E Sebastian não se aceita como gay. Jamais irá assumir seu namoro com Tanner. Ambos sairão de coração partido... ou não?

Olhando assim parece que o livro é pesado, até mesmo sofrido, não é mesmo? Mas não é. Trata-se de um livro leve, bem humorado, gostoso, com uma narrativa fluida e super viciante. As autoras falam com muita propriedade, estão à vontade. Falam sobre religião de forma precisa, mas sem mostrar fanatismo ou sem serem evasivas demais. Falam sobre sexualidade com delicadeza, respeito. E, principalmente, falam sobre o amor, amizade e família com muito carinho, abordam o quão importante é o apoio da família e dos amigos quando o assunto é se assumir gay. Os encontros entre Tanner e Sebastian são narrados de forma singela, fofa, nada apelativa.

Adorei como os personagens foram descritos. Mesmo aqueles que aparecem pouco, têm personalidades sólidas que dão veracidade às situações em que eles estão envolvidos. Destaque para a família de Tanner e para sua amiga Autum. Eu fiquei apaixonada por cada um deles - tipo muuuuuito apaixonada. Os pais do garoto se preocupam com o que pode acontecer com o filho por ele namorar um mórmon, mas em momento algum o proíbem de algo ou qualquer coisa do tipo. Eles deixam que ele faça as suas escolhas e se colocam à disposição para ampará-lo caso a escolha não tenha um final feliz. Eu achei isso fantástico, principalmente por ter sido criada da mesma forma. E Autum... ah, Autum! Que personagem linda! Todo mundo merece uma amiga como ela! Fiel, engraçada, sempre disposta ajudar, a apoiar, a estar presente. Sempre que ela aparecia, eu tinha vontade de abraça-la e pedir para que ela fosse minha amiga também! 😍

A edição do livro está uma gracinha! A cada início de capítulo há uma arte bonitinha informado qual capítulo se inicia, e a numeração das páginas também é decorada, mas nada "espalhafatoso" demais, tudo de bom gosto. A troca de mensagens dos personagens é caracterizada com balões e emojis, o que dá um toque mais jovem e interessante à trama. Só fiquei triste com as páginas, pois são sensíveis, fininhas. Mas para os cuidadosos, isso não será um problema. Ah! As páginas são finas, mas não são transparentes, viu?
E a capa? É uma gracinha! Simples, mas super condizente com a trama.

Eu queria ficar falando e falando sobre essa obra aqui, mas acho melhor eu me despedir. Mas antes, gostaria de indicar muuuuito esse livro! Eu tenho certeza de que ele será uma surpresa agradável para você assim como foi para mim. 😉


0 comentários: