( Resenha ) Simplesmente o Paraíso - Livro 1 da Série Quarteto Smythe-Smith de Julia Quinn @editoraarqueiro - Clã dos Livros

( Resenha ) Simplesmente o Paraíso - Livro 1 da Série Quarteto Smythe-Smith de Julia Quinn @editoraarqueiro

Compartilhe:
Editora Arqueiro

Leia a sinopse AQUI.

Resenha


Simplesmente o paraíso é o primeiro volume da Série Quarteto Smythe-Smith de Julia Quinn, composta por 4 livros que retratam o romance de cada uma das integrantes da família, cujo concerto era frequentado pelos maravilhosos Bridgertons!

“Não conseguia lembrar da última vez que alguém lhe dera a mão.”

Marcus Holroyd estava sempre sozinho. A condessa de Chatteris, sua mãe, faleceu quando ele tinha apenas 4 anos, mas, esse acontecimento teve pouco efeito em sua vida, afinal ele a viu em precisamente sete ocasiões, porque passava mais tempo aos cuidados da Srta. Pimm, uma ama de bebês de 60 anos, do que com a mãe, que costumava passar mais tempo em Londres desfrutando da temporada social.

Lorde Chatteris era mais chegado à vida no campo do que a esposa e criou o filho do mesmo modo como o pai o fez, apenas se certificou de colocar a criança em cima de um cavalo aos 3 anos e, depois, não viu razão para se importar mais com o menino até que tivesse idade suficiente para conduzir uma conversa de forma razoavelmente sensata. O conde não desejava se casar de novo, embora o alertassem de que seria bom ter outro filho além do herdeiro. Em vez disso, escolheu investir no filho.

Aos 12 anos, Marcus deixou Fensmore para estudar no Eton College, a instituição onde todos os meninos Holroyds iniciavam sua educação formal. Foi quando ele conheceu Daniel Smythe-Smith e os dois se tornaram grandes amigos. Aalém de ser o herdeiro do condado de Winstead, ele tinha cinco irmãs e mais trinta primos em primeiro grau. Não havia ninguém que soubesse se socializar melhor e que pudesse ensinar isso a Marcus.

Logo, Marcus começou a passar mais tempo com os Smythe-Smith do que com o pai. Na época, Honoria, a irmã caçula de Daniel, não desgrudava do irmão e vivia seguindo-o para todo lado. Ela desejava participar, ser incluída em jogos e brincadeiras, em todas as atividades que a família constantemente lhe dizia que era jovem demais para se envolver e Marcus sabia muito bem como ela se sentia.
“Desesperada por um dia ensolarado, desesperada por um marido, desesperada...”
Os anos se passaram e ela se tornou Lady Honoria Smythe-Smith, uma jovem desesperada para casar, pois já havia atingido a idade e o momento certo para encontrar um marido. Entretanto, aquela missão não estava sendo nada fácil. Embora, o que estivesse passando não fosse muito diferente do que a maioria das amigas. Não era a única jovem ansiando por um casamento.

Enquanto isso se distraia treinando muito para a apresentação anual do quarteto Smythe-Smith, um recital que se tornou tradição familiar. E, apesar de não tocarem bem e saber disso, Honoria gostava de participar, porque aquilo fazia com que se divertisse.



“Porém, Honoria não estava procurando um marido apenas para admirar a aliança no dedo ou para se regozijar com seu status de jovem matrona elegante. Queria uma casa que fosse sua. Uma família – grande, barulhenta, que nem sempre se preocupasse em ter modos.”

Marcus esteve presente por quase toda a vida de Honoria. Antes de ser lorde Chatteris, antes de Daniel se tornar lorde Winstead. Antes de Charlotte, a irmã mais próxima dela em idade, ter se casado e saído de casa. Era reconfortante tê-lo por perto, os caminhos deles já não se cruzavam com a mesma frequência de antes, tudo era diferente, mas continuavam como bons amigos.


“Então, ergueu os olhos para Marcus e sorriu de novo. Por um momento, sentira-se ela mesma outra vez, como a moça que fora apenas alguns anos antes, quando o mundo se estendia à sua frente, uma esfera cintilante repleta de promessas. Nem se dera conta de que sentia falta daquela sensação de pertencimento, de estar no lugar certo, com alguém que a conhecia plenamente e, ainda assim, achava que valia a pena rir com ela.”


Era estranho o modo como Marcus fazia com que ela se sentisse tão bem e entre tantas reviravoltas do destino, os dois acabaram se aproximando ainda mais e a amizade que possuíam acabou se tornando um sentimento avassalador que já não suportava mais ficar contido em seus corações.


“Sussurravam sobre Marcus como se ele fosse o herói de um romance ou o vilão gótico e misterioso que precisava ser redimido.”


Um romance emocionante, sensível e fofo, que me conquistou com muita facilidade e deixou um gostinho de quero mais. Narrado em terceira pessoa, se passa no mesmo universo da Série Os Bridgertons e permitiu que eu conhecesse melhor cada um dos personagens, sentindo-me encantada por eles.

A escrita da autora está perfeita. Tudo se encaixe muito bem, assim como em todos os outros livros dela.

A capa é linda, romântica e delicada. A diagramação é muito bem feita e a revisão é exemplar.

Dou cinco estrelas e, com certeza recomendo para quem é fã do gênero!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

test banner