( Resenha ) Beijo na Testa é Pior do Que Separação - Felipe Pena @felipepena @primaveraeditor


Primavera Editorial

Leia a sinopse, AQUI.

Clique na capa e compre o livro na Saraiva


Resenha

O livro traz 40 crônicas cujo foco principal é a separação, no entanto o autor sagazmente conseguiu fazer nesse livro vários links com: política, amor, moda, literatura, jornalismo o que faz com que o livro se torne bem diversificado e possibilite que o leitor o leia e releia rapidamente. 

O autor se utiliza também de metáforas em alguns textos e todos dão destaque a uma frase principal. Os textos estão bem organizados e o livro, esteticamente bem feito, provoca ainda mais prazer na leitura. 

“(…) Deslizou o corpo pelo sofá, segurando no braço, para não cair. Olhou reto, certeira, nos olhos dele. Uma lágrima insistia em romper o bloqueio emocional, mas ela a segurou, refez o dique. Enxugou o canto, discretamente, dilatando a pupila para disfarçar. Ele se aproximou, curvou o corpo, tentou beijá-la na testa, mas ela o afastou. Beijo na testa era pior do que separação.”

Crônicas consistem em registros do cotidiano, narrações curtas, que são divulgadas geralmente em jornais e revistas e procuradas frequentemente pelos leitores que se afinizam com os autores e sua forma de escrever. Felipe traz no livro, crônicas já publicadas anteriormente e ainda algumas inéditas. 

“Crônica não é conto de fadas. Ninguém encontra o teu sapato, minha querida leitora. Na melhor das hipóteses, fique satisfeita com um paletó por cima dos ombros. O tintureiro no dia seguinte. Um belo café no sábado de manhã. 

Afinal, quem precisa de fadas?”

Posso dizer que adorei duas crônicas em especial, “Instruções para o meu funeral” que trata do fim da vida com muito humor e “De Lula para Collor em 2060” uma crônica sobre alguns fatos políticos que vivemos em nosso Brasil.

“Por mim, a festa não teria hora pra acabar. Quem inventou a morte não sabe o que é viver. Quem inventou a morte não sabe o que é a brisa lateral da praia do Pepê, o chope com os amigos do colégio, o futebol no domingo, a pele feminina molhada de suor. Quem inventou a morte não conhece a poesia do Rilke, os romances do Saramago, as sonatas de Chopin, a guitarra do Hendrix, os quadros do Portinari, o cinema de Fellini. Quem inventou a morte é um ignorante. Um tremendo ignorante.”

Felipe em uma de suas crônicas finais diz que espera que seus textos se tornem garrafas ao mar. Para quem gosta de crônicas, vale a pena ler!



Leia o primeiro capítulo:



5 comentários

  1. Nossa, fiquei empolgada com este livro. Não fazia ideia que seria tão bom. Adorei os trechos que você colocou aqui. Muito bom. Vou ver se consigo ler.

    ResponderExcluir
  2. Poxa quanto tempo não leio uma crônica! E achei muito legal vc trazer uma resenha pra nós. Fiquei com muita vontade ler!
    Beijinhos
    aculpaedosleitores.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Adorei o título!!! Eu não tenho costume de ler crônicas mas devem ser tão divertidas, por serem contextos do cotidiano e um enfoque mais rápido sobre o problema e a solução. Adorei!!!

    Beijos Michellen
    /(.”)__☆
    /||\
    _||_
    http://comente-se.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

© BLOG CLÃ DOS LIVROS- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por