( Resenha ) Xeque-Mate da Rainha de Elizabeth Fremantle @EditoraParalela

Editora Paralela
Clique na capa e compre o livro na Saraiva.

Leia a sinopse AQUI.


Resenha

"O que você está me pedindo condenará nós dois", ela sussurra."
Xeque- mate da rainha vai contar a história da sexta esposa do rei Henrique VIII. 

Katherine Parr foi a última esposa do rei conhecido por seu temperamento forte e instabilidade emocional, duas de suas ex esposas foram condenadas a morte (guilhotina), duas divorciadas e uma morreu. 

Esposas do Rei Henrique VIII
O livro começa contando os últimos dias do segundo marido de Katherine, Lord Latymer. Sendo consumido pela doença, tudo o que o lorde gostaria era um final sem dor. Durante seus momentos finais pensou em como ajudar a sua esposa, mulher sempre presente e carinhosa. Katherine era jovem, 30 anos, receberia uma herança boa e poderia viver confortavelmente e quem sabe um dia se casar por amor.

Logo no início a autora já mostra o quão forte Katherine é. Apesar da idade já passou por várias situações traumáticas e nunca perdeu a compostura e sempre manteve seus ideais.



"Seu rabisco fará Katherine uma mulher de posses consideráveis. Ele espera que não traga a maldição dos caçadores de fortuna a sua porta. Ela ainda é bem jovem, com pouco mais de trinta anos, e o carisma que o fez se apaixonar tão profundamente - já um velho viúvo - paira em volta dela como um halo. Nunca teve a beleza ordinária das esposas dos outros homens. Não, seus atrativos complexos floresceram com a idade. Mas Katherine é astuta demais para se deixar levar por um sedutor eloquente de olho na fortuna de uma viúva. Ele deve demais a ela. Quando pensa em como ela sofreu em seu nome, tem vontade de chorar, mas seu corpo é incapaz disso."

Após a morte de Latymer, Katherine e a filha do lord, Meg, foram chamadas pela Lady Mary, filha de Henrique VIII, para um batizado na corte. Apesar de não estar muito a vontade de voltar a corte, Katherine sabe que um convite feito por membros da realeza não devem ser recusados.

Chegando na corte, reencontra seu irmão, Will, e conhece o rapaz mais cobiçado da corte, Thomas Seymour. Mas a experiência de vida que Kit, apelido de Katherine, não deixa que os charmes do rapaz baguncem sua cabeça.

""Tudo na corte é estranho", diz Meg. "Ninguém diz o que quer dizer, mesmo mamãe fala por enigmas. E o único assunto que tinham comigo era quando me casarei e com quem." Ela faz uma careta. O filhote de spaniel Rig pula em seu colo e ela o abraça, dizendo: "Se pudesse escolher, nunca me casaria"."
Também na corte, reencontra sua irmã, Anne, que é uma dama da corte de Lady Mary. Meg que nunca esteve no ambiente da corte fica perturbada com o comportamento das pessoas, principalmente com o fato de todos perguntarem quando ela casaria. Meg, assim como Kit, passou por momentos difíceis e traumatizantes, mas não é tão forte quanto a madrasta e também passou pela situação muito jovem.


Rei Henrique VIII e suas seis esposas
E nessa visita a corte, acabam encontrando com o rei Henrique VIII. O rei está com um problema em sua perna e já estava com atenção em Katherine devido ao cuidado dela com seu falecido marido. O último casamento real terminou de forma drástica, a rainha era bem mais jovem que o rei e após uma traição descoberta, foi considerada traidora e condenada a guilhotina. 
"Não há nenhum vestígio de ternura nele. Sua mandíbula está apertada; ele agarrou sua recompensa e não vai mudar de ideia. Só agora ela começa a se dar verdadeiramente conta de que vai se casar com o rei e não terá nenhuma escolha. Todos esses homens - o rei, seu irmão, Hertford - selaram seu destino. Ela não tem mais liberdade do que quando era criança."
Por isso o rei fica decidido a casar com alguém que seja carinhosa e ajude com sua doença, então ele começa cortejá-la e assim Katherine não tem como rejeitá-lo.

E entre os preparativos para seu terceiro casamento Kit acaba caindo nos cortejos do charmoso Seymour. Assim ela precisa esconder a paixão proibida, pois o menor dos atos pode ser considerado traição e que poderá condená-la, como as rainhas anteriores.

"Dot se pergunta de novo se Katherine está pensando em Seymour. O rei pode ser o rei, mas Dot sabe que ele não passa de um homem todo enfeitado - e gordo, com um cheiro pútrido e um temperamento ruim. Katherine vai ter que dividir a cama com ele. Isso faz a sua pele arrepiar."
Durante grande parte do enredo vemos Katherine lutando contra todas as complicações para manter o relacionamento com o instável rei Henrique VIII. Precisando manter suas emoções distantes, Kit tenta convencer o rei a aceitar a "nova" religião e também reunir os filhos para que possam viver como família.

Este é outro ponto delicado da vida de Kit, com 30 anos ainda não conseguiu ter um bebê. Muito carinhosa, sempre tratou com todo amor os filhos de seus maridos, mas sempre sonhou em ter seu próprio filho. Todos os seus enteados a amam como mãe e é muito bonito de ver o respeito e carinho entre eles.

Naquela época um filho era uma garantia para as mulheres,principalmente para ela como rainha, por isso Kit fica muito frustrada com cada menstruação que surge.


"Ela precisava se provar capaz de governar cada reunião - tem que ficar firme, despir-se inteiramente de sua feminilidade, não pode deixar abertura. Nenhum homem sentado àquela mesa acredita que uma mulher seja capaz de governar. Mas ela pensa em Mary da Hungria, que administra três territórios com sucesso. Katherine se esforça para emular seu exemplo. Mas até o arcebispo, que é seu aliado mais firme, tem reservas."
Assim o livro vai contar toda a vida de Katherine Parr como rainha da Inglaterra, todas as suas jogadas para influenciar o rei, seu momento governando reuniões e sua perspicácia para sair dos problemas encontrados. Ela foi uma mulher bastante perseguida por conta da sua personalidade forte e inteligência, mas justamente por conta dessas qualidades não era fácil prejudicá-la.
"É isso o que é ser mulher no mundo até onde ela subiu - ficar parada, quieta e bonita, ao menos em público."
O livro foi uma bela surpresa pra mim. O primeiro romance histórico que li e uma enorme alegria. Histórias de época retratam o momento em que os personagens vivem e o machismo é muito presente. Mas o livro vem mostrar como mulheres fortes conseguiam lutar por seu espaço, mesmo em momentos tão difíceis.

""- Katherine, você se acha importante demais. É uma mulher; não poderia entender essas coisas. O que sabe sobre meus súditos e sua necessidade de orientação espiritual?"
Mas é claro que ela entende essas coisas, embora não ouse dizê-lo."

O romance não é tão focado neste livro. O que realmente prende é acompanhar Katherine por todos os problemas que aparecem em sua vida e ver como ela era inteligente e forte. Um livro que fortalece as mulheres.

Além disso, a autora fez várias pesquisas para retratar de maneira fiel como era a corte Tudor e durante a leitura podemos perceber como era cheia de intrigas e que todo e qualquer movimento era previamente calculado por todos os integrantes.




Os acontecimentos são bem parecidos com o que vemos em novelas de época, com conspirações, romances proibidos e pessoas que precisam manter as aparências. E caso o tema, Reinado do Henrique VIII, seja do seu interesse, tem uma série que vai tratar justamente desta parte da história: The Tudors. Aproveitem que as quatro temporadas estão no catálogo da Netflix (já está na minha lista para maratona, rsrs)


Um livro que me conquistou a cada capítulo, começando a série favoritando o primeiro livro. E ansiosa para ler mais e mais sobre essa corte. O segundo livro já foi lançado pela Editora Paralela com o título "Intrigas da Corte".
"Camelot é só um lugar em sua imaginação, pois a corte pode ser bonita por fora, mas por dentro é vil como o pecado."

5 comentários

  1. Larissa!
    Ver um romance histórico que é ambientado na Inglaterra e tem como protagonista a grande Katherine Parr, detentora de grande inteligência e força, deve ser uma leitura degustativa e de grande aprendizado. Fiquei muito curiosa, porque adoro a História dos reinos daquela época.
    Desejo uma ótima semana!
    “Conhecer os outros é sabedoria. Conhecer-se a si próprio é sabedoria superior.” (Lao-Tsé)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Eu não curto muito livros históricos, principalmente esses que pelo nome parecem romances históricos homem conhece mulher se apaixonam TRAMA POLÍTICA tretas etc que só de pensar já baixa o espírito do sono na gente, mas sei lá, parece uma história TOP, só não é muito minha área haha. bjs

    ResponderExcluir
  3. A premissa desse livro me chamou a atenção pelo fato de ir além dos romances de época, como você mesmo descreveu em sua resenha vamos acompanhando a personagem em seu dia a dia, enfrentando tantos dilemas da época, o que me chamou a atenção, e que a personagem consegue se impor diante do machismo e ocupando seu espaço. Amei sua resenha, e já quero um exemplar para começar logo a leitura.

    ResponderExcluir
  4. Parece insteressante, mas infelizmente não pretendo ler pois não é um genero que eu gosto muito. Mesmo assim obrigado pela dica e a sua resenha ficou ótima, quem curte o genero com certeza esse será um ótimo livro.

    ResponderExcluir
  5. Adorei a resenha e sou fascinada por romances históricos e esse livro parece ser bem interessante fiquei bem curiosa para descobrir mais sobre a vida da Katherine Parr!!
    Beijoss

    ResponderExcluir

© BLOG CLÃ DOS LIVROS- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por