5 Estrelas,

( Resenha ) A Espiã de Paulo Coelho @EditoraParalela

02 julho Larissa 0 Comments

Editora Paralela
Clique na capa e compre o livro na Saraiva.

Sinopse
Mata Hari foi a mulher mais desejada de sua época: bailarina exótica que chocava e encantava plateias ao se desnudar nos palcos, confidente e amante dos homens mais ricos e poderosos de seu tempo, figura de passado enigmático que despertava o ciúme e a inveja das damas da aristocracia parisiense. Ela ousou libertar-se do moralismo e dos costumes provincianos das primeiras décadas do século XX e pagou caro por isso: em 1917, foi executada pelo pelotão de fuzilamento do exército francês, sob alegação de espionagem. Em seu novo romance, Paulo Coelho — um dos três autores mais admirados pelos leitores brasileiros — revisita com brilhantismo a vida dessa mulher extraordinária, mostrando ao leitor que as árvores mais altas nascem das menores sementes.

Resenha
"Mata Hari não foi amarrada nem vendada; ficou olhando seus executores com ar de aparente tranquilidade enquanto o padre, as freiras e o advogado se afastavam dela."
A espiã traz a história da grande dançarina de Paris, Mata Hari.

O livro é dividido em 3 partes: 2 partes são narradas pela própria protagonista e a última narrada por seu advogado.


No início já temos a descrição de como foi a execução da protagonista, morta por fuzilamento sob acusação de espionagem. Assim a história vem da carta que Mata Hari deixa para que seu advogado entregue a sua filha.
"Em uma guerra, a primeira vítima é a dignidade humana. Sua prisão, como disse antes, serviria para mostrar a capacidade dos militares franceses e desviar a atenção para os milhares de jovens que estavam tombando no campo de batalha."
Então, Mata Hari fala sobre a sua vida antes de ser a famosa dançarina. Quando era Margaretha Zelle, uma jovem da Holanda que desde cedo viu o lado negro da humanidade. Sofreu abuso sexual na escola e quando acabou seus estudos resolveu responder um anúncio de jornal para se casar com um jovem militar.

Casou e viajou para a Tailândia onde viveu sob constante abuso do próprio marido. Sem ter para onde correr ou o que fazer para sair desta situação de sofrimento, os anos foram passando e deste relacionamento nasceram dois filhos. O mais novo foi morto pela babá com poucos dias de vida.


"Agora eu tinha apenas minha filha, uma casa que vivia vazia, um marido que não me levava a lugar nenhum com medo de ser traído e uma cidade cuja beleza era tão grande que chegava a ser opressiva; estava no paraíso, vivendo meu inferno pessoal."

Até que durante uma festa, uma grande fatalidade faz com que a moça abra seus olhos e consiga finalmente se impor em casa. Quando consegue retornar a Holanda, não pensa duas vezes e abandona sua família viajando para Paris. Com ajuda de um contato, consegue a viagem e o passaporte com seu novo nome: Mata Hari.

Quando consegue a sua primeira oportunidade de apresentação, resolve apresentar uma dança inovadora, baseada no que viu durante a festa que foi na Tailândia.  E o resultado foi um completo sucesso. Logo estava com vários espetáculos marcados.
"Ao contrário do que diziam os críticos que jamais souberam me entender, quando estava no palco, eu simplesmente me esquecia da mulher que era e oferecia tudo aquilo para Deus. Por isso me despia com tanta facilidade. Porque eu, naquele momento, não era nada; nem mesmo o meu corpo; era apenas os movimentos que comungavam com o universo."
Com o sucesso veio também a influência e o relacionamento com pessoas de poder. Como era uma mulher inteligente, conseguia o que precisava apenas manipulando. Aquilo que sempre foi o seu ponto forte, para que ela alcançasse coisas que desejava, também a levou ao final derradeiro.

A história é bem interessante, pois como todas as partes são narradas em primeira pessoa, temos a impressão de realmente estar ouvindo os personagens contando a sua história. Assim a leitura flui tranquilamente e quando menos percebemos, o livro já terminou.
"Escapei de crimes que cometi, o maior deles o de ser uma mulher emancipada e independente em um mundo governado por homens. Fui condenada por espionagem quando tudo o que consegui de concreto foram fofocas nos salões da alta sociedade."
Livros que começam com aquela frase: "Baseado em fatos reais" sempre deixam a história mais tensa. Este não foi diferente. Enquanto contava todas as coisas que passou apenas pelo fato de querer igualdade ou liberdade de viver, meu coração ficava bem apertado e revoltado.

Já comentei em outras oportunidades, mas sempre que encontro um livro que mostra o abuso que algumas pessoas enfrentam, tento refletir em como é necessária a educação das crianças e a punição na sociedade para que estes tipos de situação, não se repitam e não se transformem em coisas do cotidiano.



O livro tem uma ótima diagramação e a divisão dos capítulos também auxilia na leitura tranquila. A capa tem essa imagem que auxilia a imaginação do leitor pois sugere o estilo das roupas que Mata Hari utilizava em suas apresentações.

Apesar de não ser uma biografia e ter alguns fatos alterados para melhorar o desenvolvimento da história, o livro me instigou a procurar saber mais sobre a história. O próprio autor deixa algumas sugestões de títulos, caso queira saber mais sobre a história dessa mulher fantástica e que pagou por não seguir completamente, as regras que o costume da época.
"Todos nós sabemos que serei morta não por causa desta alegação estúpida de espionagem, mas porque decidi ser quem sempre sonhei, e o preço de um sonho é sempre alto."


0 comentários: